Prolapso Uterino

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Prolapso Uterino

Mensagem  Diógenes Coelho em Sex Dez 20, 2013 9:29 pm

O prolapso genital representa um problema socioeconômico importante. Entretanto, os dados epidemiológicos dessa enfermidade são difíceis de serem obtidos, uma vez que muitas mulheres escondem o fato, aceitando-o como uma consequência natural do envelhecimento ou dos partos vaginais. Na maioria dos estudos, a prevalência estimada é de 40% das mulheres.

A Sociedade Internacional de Continência (ICS) define o prolapso genital como o descenço da parte vaginal anterior e/ou posterior, assim como do ápice da vagina (prolapso uterino ou da cúpula vaginal após histerectomia).

São sugeridos vários fatores de risco para a herniação do conteúdo pélvico e/ou intraperitoneal no canal vaginal, sendo que a doença pode ser atribuída a uma combinação de fatores que varia de paciente para paciente. Entre os fatores de risco destacam-se: gestação, parto vaginal, menopausa (envelhecimento e hipoestrogenismo), pressão abdominal cronicamente afetada (como em doença pulmonar obstrutiva crônica, constipação e obesidade), traumatismo do assoalho pélvico, fatores genéticos (como raça e distúrbios do tecido conjuntivo), histerectomia e coluna vertebral bífida.

Os termos cistocele, retocele, uretrocistocele, prolapso uterino, retrocele e enterocele são tradicionalmente usados para descrever a localização da protrusão. Entretando, esses termos podem ser imprecisos e podem não refletir exatamente o órgão prolapsado. Apesar desses termos estarem profundamente enraizados, clinicamente é mais útil descrever o prolapso como, por exemplo, prolapso da parede vaginal anterior, prolapso apical da parede vaginal, prolapso cervical, prolapso da parede vaginal posterior, prolapso perineal e prolapso retal.
A classificação do prolapso genital apresenta variabilidade muito ampla. Várias classificações usam termos indefinidos, não padronizados, que dificultam a comparação entre estudos do tema e avaliações longitudinais.

Em 1999, a ICS propôs uma nova classificação, visando padronizar de forma mais reproduzível e fiel os prolapsos genitais conforme descrita por Bump et al. em 1996. Nesta classificação, os prolapsos são estadiados após a identificação do ponto de maior prolapso através da manobra de Valsalva, em ortostatismo ou por tração do ponto máximo de prolapso. Assim, os prolapsos são classificados nos seguintes estádios:
• Estadio I: ponto de maior prolapso está localizado até 1cm para dentro do hímen;
• Estádio II: ponto de maior prolapso está localizado entre 1cm acima e 1cm abaixo do hímen;
• Estádio III: o ponto de maior prolapso está a mais de 1cm para fora do hímen, porém sem ocorrer eversão total;
• Estádio IV: eversão total do órgão prolapsado. O pondo de maior prolapso fica, no mínimo, no comprimento vaginal menos 2cm.

EntretanTo, a classificação de Baden e Walker modificada é a mais difundida em nosso meio. Nela, termos distintos são utilizados para os prolapsos dos diferentes compartimentos, sendo os prolapsos uterinos classificados em:
• 1º grau – o colo do útero alcança o introito vaginal, sem ultrapassá-lo;
• 2º grau – apenas o colo ou o colo e uma parte do útero ultrapassa o introito;
• 3º grau ou completo – todo o útero está exteriorizado além do introito vaginal.

Os sintomas são pouco comuns em mulheres com prolapsos iniciais (estádios I e II) e frequentemente não são correlacionados com o nível anatômico dos prolapsos. O quadro clínico envolve queixas urinárias (incontinência de esforço, disúria, polaciúria, nictúria, urgência miccional, sensação de esvaziamento incompleto, retenção urinária, ITU de repetição, necessidade de mudar a posição para iniciar ou finalizar o esvaziamento vesical e etc), intestinais (constipação, dificuldade ou desconforto para evacuar, evacuação incompleta, necessidade de auxílio de manobras manuais para esvaziamento intestinal, incontinência de flato ou fecal, urgência fecal e etc), sexuais (dificuldade na penetração, diminuição da sensação vaginal, dor e desconforto às relações sexuais) e sintomas locais (sensação de pressão ou peso na vagina, dor vaginal ou perineal, sensação de protrusão pela vagina, lombalgia, dor ou pressão abdominal, sangramento e corrimento purulento).

O diagnóstico baseia-se em uma anamnese e exame pélvico adequados, sendo os métodos complementares menos importantes. Uma exceção é a ocorrência de prolapso uterino em nulíparas, quando se pode suspeitar da presença de espinha bífida. Nesse caso, é indispensável a solicitação de radiografia de coluna lombo-sacra.

O tratamento conservador, através de pessários, é indicado para pacientes que não desejam o tratamento cirúrgico, nas que apresentam alguma contraindicação ao mesmo e nas pacientes que não tem prole definida e apresentam o desejo de ter filhos. Os pressãrios estão disponíveis em vários tamanhos e formas, devendo a paciente ser orientada quanto as possíveis complicações de sua utilização, como ulceração da mucosa, incômodo na relação sexual e corrimento.

A cirurgia é o tratamento de eleição dos prolapsos genitais, com o objetivo de aliviar os sintomas, restaurar a anatomia e corrigir condições ginecológicas associadas. São várias as técnicas cirúrgicas, sendo as cirurgias conservadores preconizadas nas pacientes que não tem prole definida e as radicais nas pacientes com prole definida.

Camargos, A.F.; Melo, V.H.; Carneiro, M.M., Reis, F.M.Ginecologia Ambulatorial: Baseada em Evidências Científicas, 2 Ed., Belo Horizonte, Coopmed, 2008.
Berek JS. Novak/Tratado de Ginecologia. 14ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.
Rogers RG, Fashokun TB. An overview of the epidemiology, risk factors, clinical manifestations, and management of pelvic organ prolapse in women. UpToDate, 2013.
Fashokun TB, Rogers RG. Pelvic organ prolapse in women: Diagnostic evaluation. UpToDate, 2013.

Diógenes Coelho

Mensagens : 7
Data de inscrição : 21/11/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum